caminhos-que-nos-causam-deleite-devocional-flavio-leite
Devocional

Caminhos que nos causam deleite

Nós já estamos há algum tempo com algumas devocionais, mas eu queria essa semana, fazer de forma diferente. Eu queria fazer uma leitura de alguns Salmos. Porque o Salmo manifesta poesia. É cântico! E a poesia tem esse poder de vir sobre nós como um bálsamo. Cobre a nossa alma, traz alívio.
Eu vou começar com o Salmo primeiro, que diz: “Bem-aventurado o homem, a mulher, que não andam segundo o conselho dos ímpios, não se detêm no caminho dos pecadores, nem se assentam na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Eles serão comparados a árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto eles fizerem serão bem sucedidos”.
Eu queria focar na questão do bálsamo, do alívio da alma. Porque é um salmo que traz uma instrução, e é interessante. Diz que felizes serão aqueles que não andam, que não se detêm, que não se assentam. Diz que feliz é o homem e a mulher, que não andam segundo os conselhos dos ímpios, não se detêm no caminho dos pecadores, nem se assentam na roda dos escarnecedores. Parece-me que existe aqui uma mensagem, de que precisamos cuidar da nossa alma, dos nossos sentimentos. É como se dissesse: Olha, cuidado porque você começa andando. Você começa andando por ambientes que deformam a sua alma. Depois você se detém, alguma coisa chama a sua atenção. E, por fim você abaixa a guarda, e se assenta, você se acomoda, você se sente como que preso por grilhões. E a vida é assim! Precisamos cuidar dos nossos movimentos. Precisamos cuidar dos nossos caminhos. A bíblia diz: “De tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procede as fontes da vida”. É o conselho do rei Salomão. Um homem bem experimentado na caminhada. Davi também é um homem experimentado, por isso encerra mostrando o fruto, o resultado da jornada, dizendo: “Eles serão comparados a árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto eles fizerem serão bem sucedidos”. Essa tradução que diz, “e tudo quanto eles fizerem serão bem sucedidos”, na verdade, no texto original, será melhor compreendido, se traduzido por: “e tudo quanto começarem a fazer, levarão até ao fim”. A ideia aqui é de levar à cabo, não desistir no meio do caminho. Eu quero fazer uma oração, para guardarmos as nossas vidas, guardarmos os nossos corações nesse tempo difícil. Para não desistirmos. Sei que nossos esforços e sacrifícios para focarmos no que é bom, naquilo que alegra nossa alma, não será em vão. Colheremos os frutos e perseveraremos até ao fim. Ore comigo: “Pai, nos ajuda nesse momento de perplexidade. Nos envolve com o teu espírito de sabedoria. Que saibamos discernir os melhores caminhos. Que saibamos identificar o que realmente nos edifica e causa deleite. Que possamos ir até ao fim. Para nosso bem e tua glória. Amém!

Flávio Leite

REFLEXÕES AUTORAIS SOBRE HUMANIDADE Palestrante, educador e estudioso da filosofia e do comportamento humano 👇🏽Leia a crônica da semana www.flavioleite.com

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *