Devocional

A santidade humana

“Santificado seja o teu nome” (Mateus 6)

A primeira vez que a palavra “santo”, “Kadosh” no hebraico, aparece na bíblia, é no Livro do Gêneses, no capítulo 2. A palavra “santo” trazia a ideia de algo que seria “outro”, diferente; o contrário daquilo que é naturalmente levado pelo comum. Uma espécie de contraste ao status quo. Por isso a metáfora do sal e da luz na espiritualidade cristã, como mensagem da necessidade de contraste, para vivermos uma outra vida; diferente da que está posta como comum.
O melhor exemplo trazido por Jesus é quando reivindica que sejamos santos, perfeitos, como Deus é santo, perfeito. E quando vai dizer o porquê Deus é santo e perfeito, diz: “Porque ele faz nascer o seu sol sobre bons e maus, e vir chuvas sobre justos e injustos”. Interessante, o que faz Deus ser santo, é sua disposição de lidar com o mau, continuando sendo bom. Isso é um contraste diante do que é colocado. Existe o mau, mas Deus é o “outro”. Deus é o oposto, a oposição, o contraste diante do comum; que seria pagar o mal com o mal.
Desejar santificar o nome de Deus, é ser sal da terra e luz do mundo. É ser um contraste numa geração que se perde na sua humanidade. É fazer, não segundo o comum, o que está posto diante de nós, mas segundo a nossa humanidade em Deus. Até porque cremos que fomos feitos à imagem e semelhança dele. Orar, dizendo, “santificado seja o teu nome”, é entrar pela porta estreita, pelo caminho apertado; é ser guiado pelo modelo, não do status quo, mas pelo propósito para o qual fomos criados.
Não adianta professarmos um credo religioso ou demonstrarmos conhecimento espiritual; se não formos esse contraste na nossa prática cotidiana, todas as vezes que falarmos em Deus, ao invés de estarmos trazendo processos de santificação, estaremos usando o seu nome em vão.
Eu quero orar com você: “Pai, ajuda-nos a santificar o teu nome por onde andarmos. Ajuda-nos a manifestar luz na escuridão e sal onde não existe sabor, onde não existe mais razão para se continuar a jornada. Que possamos, no comum da nossa vida, gerar algo incomum; uma outra coisa, que traga identificação com a tua imagem em nós. Santifica o teu nome através das nossas vidas. Para tua glória em nós. Amém!”
Flávio Leite

REFLEXÕES AUTORAIS SOBRE HUMANIDADE Palestrante, educador e estudioso da filosofia e do comportamento humano 👇🏽Leia a crônica da semana www.flavioleite.com

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *