Devocional

A medida do amor

“Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (João 13)

Em uma cultura narcisista, do culto a si mesmo, não cabe a possibilidade do amor ao próximo. Para amar, precisamos enxergar o outro como pessoa, como diferente, que ocupa outro espaço. Vivemos em um tempo de muito egoísmo, onde não se divide nada com ninguém. Um ensimesmamento exacerbado, que não comporta a presença do outro. Christopher Lasch, historiador americano, em 1984, escreveu o livro “O mínimo eu”, prevendo um tempo em que as pessoas viveriam enxergando apenas a sua própria vida; no final só sobraria o eu. Isso traria a completa impossibilidade do amor. Esse tipo de pensamento já alcançou as comunidades religiosas cristãs. Conheço muita gente que frequenta igrejas e diz: “Vou à igreja, mas não me importo com a vida de ninguém. Só sou eu e Deus”. Isso não existe na realidade cristã. João, na sua primeira epístola, no capítulo 4, disse: “Se alguém disser: Amo a Deus, e não amar seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”.
Antes, o mandamento, era: “Amar a Deus e o próximo como a si mesmo”. Para não correr o risco de alguém pensar egoisticamente, veio Jesus e disse: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei”. A medida do amor, não é a minha própria medida, mas a medida de Jesus.
O texto que lemos acontece no contexto do “Lava-pés”. Jesus, disse: “Se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros”. Essa era a medida. Devemos amar, lavando os pés uns dos outros. Naquela cultura, seria considerando o outro superior a si mesmo. O apóstolo Paulo, escreveu aos filipenses, no capítulo 2, dizendo: “Considere cada um o outro superior a si mesmo”. Se você ama um filho com o amor verdadeiro, considera que ele é superior a você. Que ele é mais precioso do que a sua própria vida. Por isso, estará sempre pronto, se preciso for, para dar a sua própria vida, para que ele continue vivendo. Quem é pai e ama, sabe do que estou falando.
Desejo nesse novo ano, que encontremos a medida do verdadeiro amor em nossas vidas.
Ore comigo: “Pai, ensina-nos a amar com o teu amor. Sabemos que esse é o teu desejo, pois teremos um mundo melhor, mais justo, menos violento. Ajuda-nos a considerarmos os outro superiores a nós mesmos. Para nosso bem e tua glória. Amém!”

Flávio Leite

REFLEXÕES AUTORAIS SOBRE HUMANIDADE Palestrante, educador e estudioso da filosofia e do comportamento humano 👇🏽Leia a crônica da semana www.flavioleite.com

One Comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *