Devocional

A disciplina que nos torna livres

“Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram o rosto com o fim de parecer aos homens que jejuam. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6)

Um grave problema da raça humana é não querer se conscientizar da realidade de quem é. Sempre estamos tentando nos enganar acerca de quem somos. Acredito que esse mundo veloz que vivemos tem ajudado a camuflar para nós mesmos quem realmente somos na vida, no dia-a-dia, nas nossas relações.
Sempre quando somos levados a não reconhecer quem somos, é porque estamos sendo levados por impulsos, desejos involuntários, que estão desconectados com os processos do nosso pensamento. Conheço amigos, pessoas boas, que já perderam filhos, esposas, e que me confessaram, que foram levados por essa incoerência do pensar divorciado do fazer.
Viktor Frankl, fundador da terceira escola vienense de psicoterapia, fala de uma coisa que ele chama de “Dimensão Noética”. Para Viktor Frankl, o ser humano é constituído por instâncias biológica ou factual, psicológica ou anímica e noética ou espiritual. Você tem reações na sua biologia, no seu psiquê, e na sua espiritualidade. Sendo que a dimensão noética, do espírito, é o que nos distingue como pessoas humanas que somos. Um animal age por estímulos biológicos e por instintos. Nós seres humanos temos algo a mais, temos uma dimensão que nos faz ir além. Um exemplo fácil de entendermos, é o fato de termos uma capacidade para criticar o nosso próprio pensamento. É o que conhecemos na Logoterapia como “autodistanciamento”, que é a nossa capacidade de nos enxergarmos a nós mesmos tal como somos.
Vejo o jejum como um instrumento de promoção dessa nossa capacidade, para enxergarmos a nós mesmos tal como somos. Até porque é uma disciplina espiritual, que nos faz parar diante de compulsões que praticamos de forma automática.
Passamos toda essa semana falando sobre o jejum e orientando insistentemente para considerarmos como uma coisa necessária. Necessária para todo aquele, para toda aquela, que quer vencer atos, impulsos e desejos involuntários.

Quero fazer algumas perguntas pessoais:
– Você reconhece que precisa cuidar melhor dos processos dos seus pensamentos?
– Desejaria ser uma pessoa que controla seus impulsos indesejáveis?
– Gostaria de experimentar o jejum como uma disciplina espiritual, para se tornar uma pessoa mais coerente no pensamento e ação?

Eu quero orar com você: “Pai, ajuda todos aqueles que oram comigo nesse propósito do jejum. Anima e fortalece para que haja perseverança. Essa é a nossa oração, para nossa liberdade e glória do teu nome. Amém!

Flávio Leite

REFLEXÕES AUTORAIS SOBRE HUMANIDADE Palestrante, educador e estudioso da filosofia e do comportamento humano 👇🏽Leia a crônica da semana www.flavioleite.com

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *