Devocional

A companhia de Jesus

“Entrai pela porta estreita (larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela” (Mateus 7)

Quando lemos uma narrativa como essa, na maioria das vezes, não percebemos uma mensagem de consolo. Soa como um sacrifício que precisa ser enfrentado. Precisamos enxergá-lo diferente. Perceber no texto, não uma ameaça, mas uma promessa.
Quando o texto diz para entrarmos pela porta estreita, é um convite para aceitarmos a companhia de Jesus na nossa caminhada. No Evangelho de João, no capítulo 10, disse Jesus: “Eu sou a porta. Quem entrar por mim será bem cuidado; entrará e sairá e encontrará pastagem. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”. Nesse mesmo Evangelho, no capítulo 14, disse Jesus: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida”. Jesus estava dizendo: Eu sou o caminho que leva a verdadeira vida!
Me parece, que o convite para entrarmos pela “porta estreita” e “pelo caminho apertado”, é uma promessa de companhia, de segurança, de consolo, de amparo. Em Jesus, na companhia das suas palavras, das suas promessas, encontraremos a garantia de vida plena, abundante. Quando falo vida plena, abundante, não me refiro a ideia de vida fácil, triunfalismo, isenção das contingências da vida.
Uma boa compreensão dessa verdade, encontramos na parábola do homem que construiu sua casa na rocha. Ele teve muito mais trabalho e esforço, do que o homem que construiu sua casa na areia. A narrativa se encontra no Evangelho de Mateus, no capítulo 7, que diz: “Todo aquele, pois, que houve as minhas palavras e as pratica, será comparado a um homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que houve as minhas palavras e não as pratica, será comparado a um homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína”.
Mesmo na companhia de Jesus, enfrentaremos as estações das águas, dos ventos, das torrentes. A diferença é que não entraremos em ruína. Entrar pela porta estreita, pelo caminho apertado, é um convite às boas novas. Jesus é a porta! Jesus é o caminho! Você não está só, desamparado, fadado à ruína! Eu quero orar com você: “Pai, nos orienta a entrarmos por essa porta, por esse caminho, para que experimentemos a promessa de vida plena. Para nosso bem e tua glória. Amém!

Flávio Leite

REFLEXÕES AUTORAIS SOBRE HUMANIDADE Palestrante, educador e estudioso da filosofia e do comportamento humano 👇🏽Leia a crônica da semana www.flavioleite.com

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *