Devocional

A beleza da nossa fragilidade

“Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória” (I Coríntios 15)

Acho infantil e tola, a teologia do lapsarianismo; ou seja, a teologia da queda. Ela diz que a causa da nossa morte física é o pecado. Acredito que a morte que o texto do Gênesis se refere, não é a morte física, mas a morte espiritual. O texto, diz: “E o SENHOR Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás”. A advertência trazida por Deus, dizia que no dia em que comessem, morreriam. O homem e a mulher comeram e não morreram fisicamente no mesmo dia. Na bíblia A Mensagem, na tradução do Eugene Peterson, diz: “No mesmo momento em que comer dessa árvore, você morrerá”.
Fomos feitos frágeis, não só fisicamente, mas, também frágeis na alma. Você e eu, já entramos no mundo dotados de grande fragilidade. Gosto de usar a expressão, “dotados de fragilidade”, no sentido de dom, de dádiva. É importante entendermos e convivermos bem com isso. É na fragilidade que está nossa capacidade humana. Na fragilidade habita a beleza da nossa humanidade. Aliás, a palavra “adamar”, no hebraico, que foi assim que Deus nos chamou, traz a ideia de pó, de frágil, e, também, de humanidade.
Sei que a religião gosta muito de poder, mas é na fragilidade que manifestamos os atributos de Deus. É nos fragilizando que perdoamos, nos compadecemos, temos compaixão. Foi isso que Jesus quis dizer, quando falou: “Bem-aventurados os que choram”. Jesus estava dizendo: Felizes os que choram, os que se movem, os que se fragilizam.
O texto que lemos, diz: “Quando o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória”. Essa é uma maravilhosa promessa de vida eterna. Mas, enquanto isso não acontecer, enquanto estivermos aqui na terra, devemos valorizar a beleza da nossa fragilidade. Precisamos cumprir o propósito da nossa existência na nossa frágil e efêmera humanidade.
Eu quero orar com você: “Pai, ensina-nos acerca da beleza da nossa humanidade. Ensina-nos a não exercermos poder, e sim, fragilidade. Ensina-nos a nos fragilizarmos diante das pessoas a quem amamos. Ensina-nos a nos fragilizarmos no trânsito. Ensina-nos a nos fragilizarmos em todas as nossas relações. Para nosso bem e tua glória. Amém!

Flávio Leite

REFLEXÕES AUTORAIS SOBRE HUMANIDADE Palestrante, educador e estudioso da filosofia e do comportamento humano 👇🏽Leia a crônica da semana www.flavioleite.com

2 Comments

  • Nilson Almeida

    Obrigado, meu irmão….

    Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim.

    2 Coríntios 12:9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *